sexta-feira, 20 de maio de 2016

O justo viverá pela fé! Fé de quem?

O justo viverá pela fé! Fé de quem?
Mas o justo viverá pela fé! Hebreus 10:38
Esta frase tem confundido a muitos, pois a interpretam como se fosse uma ordem de esperar que tudo venha a cair, do céu.
Quando vemos atentamente todo o capitulo de Hebreus 10 e 11 percebemos que não se trata de bens materiais que se esta falando
O amor ao dinheiro o apego ao luxo tem comprometido o caráter de muitos cristãos temos vários versículos que nos mostra o perigo de nos deixar ser dominado pela ganância como pode ser visto nos versos abaixo
1 Tm 6.7-12 7 Porque nada trouxemos para este mundo e  sabido é que nada podemos levar dele.
 8 Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes.
9 Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína.
 10 Porque o amor do dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.
11 Mas tu, ó homem de DEUS, foge destas coisas e segue a justiça, a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão.
12 Milita a boa milícia da fé, toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas.
Estamos Contentes com o que temos recebido de Deus?
Romanos 12.16 Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos.
Não ambicioneis coisas altas.
Isso nos leva a pensar na ambição por coisas essenciais, como:
Ter uma casa digna  para morar, um emprego para trabalhar, roupas, estudo, alimentação, veículo para locomover-se para locais necessários.
Então podemos deduzir que existem as ambições necessárias ao ser humano, o desejo de possuir o necessário para sua subsistência.
Também existe a má ambição, a ambição por possuir além do que é necessária para subsistência a vontade de ter e ser melhor que os outros ter uma vida de luxo, uma ambição que chega a comprometer o caráter e a fé do crente.
“Porque o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males.” (I Tm 6:10)”.

Hoje, vemos, um  grande número de denominações cristãs que excedem os ensinamentos bíblicos destorcendo a palavra de Deus , transformando-se em verdadeiras empresas exploram a fé dos crentes. Certos pregadores da chamada “teologia da prosperidade” chegam a prometer aos fiéis que, se forem generosos em suas ofertas, receberam as “bênçãos” de Deus.
Utilizam se da fragilidade emocional e do desejo pelo essencial tipo de casa ,porta de emprego ,cura de enfermidade.
Agora, se a tal “bênção” não acontece como prometida, a culpa é sempre atribuída aos próprios fiéis que não exerceram a “fé” necessária para isso!
Mas “o engraçado é que a tal fé” necessária só eles têm, pois suas vidas vão de vento em poupa.
Valendo-se da credulidade do povo menos esclarecido, muitos pregadores oportunistas condicionam a satisfação de necessidades básicas de uma pessoa ao montante de contribuições financeiras doadas por elas às igrejas.
Com isso fazem crescer o exercito de cristão frustrados ou de ateus por decepcionarem se com votos não recebidos.
Fazem campanha disso e daquilo promete benção em troca de ofertas
 Caminham e instruem os fiéis na contramão da fé ao invés de serem usados por Deus querem usar Deus para lhes dar o que querem,
Enxergam o Espírito Santo como um poder a ser usado a favorecer o crente afim de que venha alcançar o que queira.
Há igrejas que estão desengavetando as indulgências da Idade Média e vendendo as bênçãos de Deus, cobrando  por seus serviços.
Há igrejas que levantam dinheiro apenas para enriquecerem, lançando mão de metodologias opressivas.
A contribuição cristã não deve ser obrigatória. Não devemos contribuir por pressão psicológica.
Contribuição cristã não é uma barganha com Deus. Paulo destaca duas motivações legítimas para a contribuição cristã:

Em primeiro lugar, a contribuição deve ser motivada pelo amor ao próximo.
 Ele diz que devemos contribuir não por constrangimento, mas espontaneamente, não com tristeza, mas com alegria, porque Deus ama a quem dá com alegria. E ainda diz: “Não vos falo na forma de mandamento…” (2Co 8.8a).

A motivação da generosidade da contribuição é o amor. Paulo prossegue: “[…] mas, para provar, pela diligencia de outros, a sinceridade do vosso amor.” (2Co 8.8b).
Sem amor até mesmo nossas doações mais generosas são pura hipocrisia.
A natureza humana acaricia a hipocrisia, as motivações impróprias, a pretensão e a contribuição para ser vista pelos homens.

E em contra partida  temos os que contribuem com ofertas apenas para ser mais abençoados  ou coagido por pressão dos versos: 10-12  Malaquias 3.
 "Trazei todos os dízimos ao tesouro do templo, para que haja mantimento “na minha casa” [“no templo”], e provai-me nisto, diz o Senhor dos exércitos, e vede se não vos abrirei as janelas do céu e não derramarei sobre vós tantas bênçãos, que não conseguireis guardá-las.
 Por vossa causa também repreenderei “a praga devoradora, todos as pragas mencionadas ali não são nenhum tipo de demônio mas sim os insetos que causavam prejuízos aos agricultores.
Não vemos nenhuma menção que o devorador seja um demônio nos evangelhos dados por Jesus ou nas cartas deixadas  por Paulo, Pedro, João, Tiago, Judas e Hebreus.
 Porem, pastores e pregador equivocado ensinam sobre o devorador, como pretexto para que os fiéis não deixem de contribuir  além de ser um ato  ganancioso é um tipo de golpe religioso.
Tudo isso para que possam desfrutar da mordomia cristã à custa do trabalho alheio.
E por isso eu pergunto O justo viverá pela fé Fé de quem? 
Estão vivendo pela fé estes que manipulam a fé alheia ?Vendem benção como se pudesse abençoar algo.

 A falta de limite no recebimento da renda eclesiástica pode dar ocasião ao cometimento do crime de apropriação indébita, definido no artigo 168, do CP, com pena de reclusão de um a quatro anos.
Isso, na medida em que o dirigente se apropria de todos os dízimos e ofertas, que estão sob seu controle, auferindo assim valores incompatíveis com a finalidade da igreja e da vocação de vida consagrada.
Trata-se, pois, de verdadeiro abuso da liberdade de organização e funcionamento das instituições religiosas.
Enquadram se nesse mesmo crime quem se apropria de bens móveis pertencentes à igreja, sobre os quais tem a posse ou a detenção, tais como mobiliários, equipamentos e veículos.
Incide também nesse crime aquele que se apropria de importância acima do limite estabelecido para a renda eclesiástica. Talvez seja esse o Ilícito mais comum entre as igrejas.
Os ministros de confissão religiosa podem ser bem remunerados pelas organizações, mormente por aquelas que possuem maior capacidade financeira, entretanto, os valores devem ser previamente fixados em documento oficial da igreja e conhecidos pela coletividade dos membros.
Visando assegurar a legalidade no recebimento e a transparência na administração financeira da entidade.
Fonte: http://adielteofilo.blogspot.com.br/search/label/A%20IGREJA%20DENTRO%20DA%20LEI%20-6-%20Pr%C3%A1ticas%20Il%C3%ADcitas
 O grande problema esta no interpretar  o que vem a ser A mordomia cristã
A mordomia cristã não é resultado da prebenda ou renda eclesiástica, nem um esquema para arrancar o dinheiro dos homens.
É a conseqüência natural de uma experiência com Deus, a reação natural do coração que foi tocado pelo Espírito Santo.
O mordomo fiel, Movido por uma visão nova e mais ampla, verá Deus e sua mão em lugares e coisas que lhe pareciam despidas de caráter religioso.
Não só a igreja, mas o lar e o lugar de trabalho participam dessa esfera sagrada, porque Deus está em toda parte como criador e preservador.
 Não haverá mais coisas lícitas aqui e ilícitas ali, porque todo o lugar que a planta do nosso pé pisar será terra santa (Ex 3.1-5).

E mais: o conceito cristão de mordomia fará crescer o nosso senso de responsabilidade. 
Aqui está perante nós um mundo criado por Deus, com tudo quanto nele há, por cujo desenvolvimento somos responsáveis.
 Aqui estamos nós mesmos, criados à imagem de Deus, e tendo de prestar contas da nossa vida, em toda a riqueza de suas manifestações.
 Aqui estão almas imortais, sem conhecimento da graça salvadora de Cristo, às quais o Senhor nos incumbe de levar a Boa Nova. 
São tremendas as nossas responsabilidades como mordomos de Deus.
E o que estes ditos pastores ou lideres religiosos tem feito com estas almas imortais, sem conhecimento da graça salvadora de Cristo.
Estão realmente sendo mordomos do Criador?
Fonte:http://ejesus.com.br/a-doutrina-da-mordomia-crista/
Para melhor entender vamos buscar o que vem a ser o real significado de mordomia cristã:

Significado da palavra “mordomo”. é um administrador que  recebe o que merece plena confiança do dono da casa: “Cada um administre aos outros o dom como recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus” (IPe 4.10).

 O apóstolo Paulo disse que podemos dar todos os nossos bens aos pobres, mas se isso não foi motivado pelo amor, não terá nenhum valor (1Co 13.3).[


A contribuição é resultado do exemplo de Cristo. O apóstolo Paulo escreve:
“Pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos” (2Co 8.9).

Cristo foi o maior exemplo de generosidade. Graça por graça. Damos dinheiro? Cristo deu a sua vida! Damos bens materiais?
Ele nos deu a vida eterna. Sendo rico se fez pobre para nos fazer ricos.
 Esvaziou-se, deixando as glórias excelsas do céu para se fazer carne e habitar entre nós. Ele nasceu numa cidade pobre, numa família pobre e viveu como um homem pobre que não tinha onde reclinar a cabeça.

Jesus nasceu numa manjedoura, cresceu numa carpintaria e morreu numa cruz.
 Ele constitui para nós o exemplo máximo de generosidade. 
Se Cristo deu tudo por nós, inclusive a própria vida, para nos fazer ricos da sua graça; devemos, igualmente, oferecer nossa vida e nossos bens numa expressão de terna generosidade.
Quando vemos o capitulo 19 de Mateus encontramos um dialogo de Jeus e um moço que desejou ser seu seguidor e ele disse:
21 Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.
Será que os tais seguidores de Cristo da atualidade têm feito tudo com amor ao próximo ou com amor aos bens do próximo?
 Devemos sim viver pela Fé e sermos verdadeiros mordomos de Deus 


 Pesquisas:
 Fonte: http://ejesus.com.br/a-doutrina-da-mordomia-crista/